Essa não é a primeira e, provavelmente, não será a última vez que você lerá sobre Chiang Mai neste blog. Mas, o que atrai nômades digitais de todo o mundo para a cidade localizada no norte da Tailândia?

Um bairro.

Isso mesmo. Nimmanhaemin Road, carinhosamente chamado de Nimman, é considerado a meca dos nômades digitais. É lá onde a magia acontece na cidade mais criativa da Ásia.

Nos últimos anos Chiang Mai tornou-se uma espécie de hub criativo para nômades digitais do mundo todo. Por ter um custo de vida baixo, o sudeste asiático em si tornou-se a região favorita de profissionais que trabalham remotamente. Porém, a cidade (e o bairro Nimman) vão muito além das despesas reduzidas: por lá você encontra ótimas conexões de internet e várias opções de cafés e coworkings.

Isso, aliado as razões que já listamos nesse post que fazem de Chiang Mai o paraíso dos nômades digitais, tem atraído milhares de profissionais – estima-se que mais de três mil nômades vivam por lá.

Mas, como Chiang Mai e o bairro de Nimman atingiram esse status?

Cidade universitária

Muito antes de a Tailândia e os nômades digitais terem ganhado notoriedade com a bíblia nômade “Trabalhe 4 Horas por Semana“, do Tim Ferriss, Chiang Mai já respirava criatividade .

Por ser uma cidade universitária (e com ótimas universidades), Chiang Mai se acostumou a receber jovens intercambistas de países vizinhos. Toda uma estrutura com berço em Nimman, região mais rica de Chiang Mai, foi criada para receber os estudantes estrangeiros e, quando se começou a falar em nomadismo digital, a cidade já estava pronta para essa modalidade de trabalho.

Comunidade engajada

Com cada vez mais nômades digitais desembarcando em Chiang Mai e instalando-se principalmente em Nimman, criou-se uma comunidade engajada de profissionais criativos. Há diversos grupos no Facebook onde você encontra divulgações de eventos, cursos e encontros dentro da comunidade nômade. Essa é uma ótima maneira de conhecer gente do mundo todo, fortalecer seu networking e, quem sabe, fechar novos negócios.

Os grupos mais famosos são:

I Love Chiang Mai;

Chiang Mai Events;

Couchsurfers in Chiang Mai;

What, Where, When;

Chiang Mai Digital Nomads.

Uma outra dica é utilizar o aplicativo Meetup para encontrar cursos e workshops que acontecerão na região onde está hospedado.

Networking

Em Nimman você encontra a maior concentração de cafés e coworkings de Chiang Mai. É lá que estão os famosos Punspace e Mana Coworking.

Foi nesse bairro que eu e a Laís conhecemos o Eric, um simpático americano de Boston e ex-integrante da cena hippie da San Francisco dos anos 60/70 que, em 2004, deixou o capitalismo selvagem dos Estados Unidos (palavras dele) para buscar a paz de espírito na Tailândia.

nômades-digitais-chiang-mai
Esse é o Eric. 69 anos de idade, blogueiro e nômade digital.

Nos conhecemos no café Healthy B quando ele me perguntou se eu tinha um “T” sobrando.

Eu tinha.

E após uma conversa super agradável e informativa sobre política externa (ele manja muito de Brasil), budismo, yoga e meditação, o papo rumou para negócios.

Para minha surpresa, aquele senhor de 69 anos ganha a vida da mesma forma que eu: produzindo conteúdo. No seu caso, para um público super especifico: ele tem um blog sobre joelhos. Trocamos figurinhas sobre SEO, WordPress, LinkedIn, infoprodutos e mercado digital.

A moral da história é que em Nimman você encontra freelancers do mundo todo espalhados pelas dezenas de cafés e coworkings espalhados pelo bairro.

Com tanta gente na mesma “vibe“, o networking acaba sendo algo natural e diversos negócios são fechados.

Naquele dia, por exemplo, o Eric estava no café esperando um programador freelancer de Myanmar que o ajudaria com o WordPress. E, quando soube que a Laís é fotógrafa, comentou que precisaria de umas fotos profissionais para o seu blog e a questionou se ela teria interesse em atender essa demanda.

Em minutos o negócio foi fechado, as fotos foram feitas e, além de um amigo, ganhamos um parceiro comercial.

Tudo por causa de uma conversa informal num café.

Segurança

Chiang Mai é classificada como uma das cidades mais seguras do mundo. É extremamente raro rolar algum crime contra estrangeiros. Você pode caminhar tranquilamente até altas horas da noite e se sentir totalmente seguro – bem diferente da capital Bangkok e das notícias que chegam aqui sobre o que rola por lá.

Como brasileiro, cresci tomando cuidado nas ruas e sempre fico atento ao que acontece ao meu redor. Em Chiang Mai, principalmente na região de Nimman, senti a mesma sensação de segurança de quando estive na Alemanha. A segurança, aliás, era uma grande preocupação minha quando chegamos por lá, afinal, a Tailândia é um país de terceiro mundo.

Então, fique tranquilo: além de todos seus benefícios e de sua cultura extremamente rica, Chiang Mai é uma cidade super segura.


E aí, curtiu as dicas? Tem mais alguma pra compartilhar? Deixe um comentário aqui nos contando!

Se quiser salvar este post para ler depois, salve a imagem abaixo no seu painel do Pinterest! Aproveite e siga nosso perfil por lá clicando aqui!

nimmam bairro nômades digitais chiang mai

Nômade digital que escreve e empreende. Eleito pelo LinkedIn como o terceiro brasileiro mais influente da rede em 2016. Você também pode ler meus conteúdos no HuffPost, no Transformação Digital e na Comunidade Rock Content.