Pra quem não sabe, a Croácia vem crescendo cada vez mais entre os países mais procurados por nômades digitais e freelancers. Com essa ideia de nomadismo digital fervilhando nas redes sociais, esse pequeno país do leste europeu é favorecido pela ótima localização e custo de vida bem mais em conta do que seus vizinhos Itália e Alemanha, por exemplo.

Agora, a pergunta que todo futuro nômade digital se faz, antes de colocar o pé na estrada: por onde eu começo mesmo? Será que realmente vale a pena trocar aquele trabalho estável – de segunda à sexta, carteira assinada e fins de semana livres – por uma incerteza ou aventura? E será que não já passei da idade pra começar uma vida nova, sem paradeiro nem destino certo?

Enfim, muitas dessas perguntas rodeavam o pensamento daqueles que começaram um novo estilo de vida, fazendo o que gosta e conhecendo diversas culturas, e o que é melhor, ganhando dinheiro. Não vai ser de um dia pro outro que todos os seus planos e sonhos se concretizarão, é verdade, mas vale muito a pena investir nessa ideia e abraçar essa bandeira do nomadismo digital.

A Croácia

E como que funciona isso aqui na Croácia? Bem, antes de mais nada, onde fica a Croácia, mesmo? Ali do ladinho da Itália, o país fez parte da antiga Iugoslávia até o início dos anos 90, quando se deu a guerra de separação dos países que faziam parte do bloco (Sérvia, Montenegro, Bósnia e Herzegovina, Eslovênia, Croácia e Macedônia).

Se pararmos pra refletir um pouco, foi há poucos anos atrás e o que surpreende pensar é que, apesar de todos os problemas e mazelas que podem ser gerados com o término de uma guerra civil (pobreza, falta de emprego, instabilidade e problemas econômicos – pra citar alguns), a Croácia soube se reerguer e hoje é vista como um país em ascensão admirável. Na área de esportes ganhou notoriedade como a vice-campeã da Copa do Mundo de 2018 – e em vários outros eventos esportivos como tênis, esqui e handball.

E o que isso tem a ver com o cenário digital? Bem, eu nunca estive num país onde todos os cafés e restaurantes possuem W-Fi de ponta como aqui na Croácia. Vivo há 7 anos na cidade de Split, na região da Dalmácia, cercada de história e cultura, e sempre percebo a quantidade de jovens que transitam pela cidade durante os dias de verão. No entanto, nunca havia prestado atenção pro fato que o país (especificamente essa região em que vivo) virou uma referência pra quem busca uma excelente opção pro nomadismo digital na Europa. E por que?

Imagine a cena: você sentado de frente pra Riva (o calçadão de Split com cafés e bares que fervem o ano todo), com internet a todo vapor, várias opções de espaço para trabalhar e coworking, acomodações próximas sem precisa se deslocar de táxi ou ônibus. E detalhe: quem aí curte Game of Thrones e filmes desse gênero? O tempo inteirinho você vai se sentir dentro de um cenário de filme ou seriado, respirando arquitetura e história entre reis e rainhas! Já ouviu falar de Diocleciano? Um imperador romano que construiu um palácio e que hoje é a cidade de Split, com mais de 2000 anos? É muita cultura pra um país só!

Pros brasileiros que decidem passar uma temporada por aqui, é bom saber que a Croácia não exige visto de permanência ou de trabalho por 90 dias, ou seja, se você pretende ficar mais tempo do que o permitido, é necessário ir a polícia Local e fazer o requerimento do visto adequado. Nada muito complicado, eu garanto. E a língua, dá pra se virar em inglês? Sim, a grande maioria da população daqui trabalha com turismo e, com isso, muitos falam inglês, italiano e alemão, aprendidos nas escolas desde o ensino fundamental. Maravilha, né?

Onde ficar e como se locomover

A melhor maneira de se achar um lugar pra ficar é pelo Airbnb, seja pra passar uma temporada curta ou alugar por um período mais longo. No entanto, ao redor do Palácio Diocleciano existem diversos hostels e quartos pra alugar, disponíveis durante o ano todo. É claro que é sempre recomendado fazer a reserva com antecedência, pelo fato de as cidades litorâneas como Split e Dubrovnik receberem milhares de turistas na época do verão.

E dá pra se deslocar entre as cidades com certa facilidade? Dá, sim.

Split possui uma estação de ônibus bem conectada e de fácil acesso, tanto entre as cidades do norte (Zagreb, Rijeka, Osijek e Pula) e Sul (Dubrovnik e Makarska), como entre outras capitais e cidades de países vizinhos (Sarajevo e Mostar, na Bósnia). Dá pra reservar online aqui.

Quem prefere trem, também é possível se locomover dessa forma pelo país, já que pra muitos esse tipo de viagem é relax total. Dá um olhada aqui. Com tanto litoral pra usufruir é impossível não visitar as ilhas de Hvar e Brac durante a alta temporada – e posso te garantir que é uma das melhores coisas a se fazer no verão. A Jadrolinija é a empresa de catamarãs e balsas que conectam as ilhas ao continente e tem saídas com bastante frequência pra essas ilhas que citei e outras também procuradas por turistas. Vai depender do seu grau de aventura!

Alguns dos espaços de coworking mais procurados aqui na cidade são o Amosfera e o CoCreative, ambos com uma vibe bastante agradável e cafés deliciosos, de frente pro mar. Quer coisa mais inspiradora? Pra quem curte um bom prato típico, dá pra matar a fome em restaurantes especializados em comida mediterrânea, geralmente a base de peixes e massas. Sim, eles amam pizza! 

Tendo tudo isso em mente, deu vontade de arrumar as malas e pegar o próximo voo pra Croácia, certo? É só mandar ver! Boa sorte nessa jornada!


E aí, curtiu as dicas da Debora?

Se quiser salvar este post para ler depois, salve a imagem abaixo no seu painel do Pinterest! Aproveite e siga nosso perfil por lá clicando aqui!

Como é ser nômade digital na Croácia?

Debora é carioca de São Gonçalo e mora em Split, na Croácia, há 7 anos. Com formação em Linguística Aplicada e Ensino da Língua Inglesa pela Universidade Federal Fluminense, atua como professora de português e inglês, tradutora, além de trabalhar como digital content writer nas áreas de Turismo e Hotelaria, Marketing e Finanças. Atualmente é redatora do site Total Croatia News. Com vasta experiência no mercado de cruzeiros, Debora trabalhou por 5 anos viajando o mundo e conhecendo os 5 continentes.